Ser carioca é outra parada.

Ontem participei da correria da polícia na Vitório da Costa, cujo resultado foram quatro assassinatos. E aí? A cidade agoniza e entre as opções está desistir dela ou trabalhar pelo lado que ainda insiste em mostrar esperança. Há algo de muito estranho nessa gente que não cansa de acreditar e de se envaidecer de, simplesmente, ser carioca. Isso é emocionante. Às vezes é difícil acreditar, mas acho que o jogo vem virando aos poucos, sim.

O que rolou hoje - e não o que vai rolar nos próximos sete anos - passa por cima de questões políticas. Foi foda ter a sensação de viver momentos que serão indeléveis da memória outra vez - esse ano tem sido cheio deles. Há muito o que se fazer pelo Rio. Não dá pra desligar os aparelhos. Vamos, pois, trabalhar e cuidar da parte que nos cabe, que a cidade e a gente daqui ainda valem muito à pena.

Foda!