Longe do charme que tinha nos anos 90 e cada vez mais próximo da festa pirotécnica e de cartas marcadas que é o VMA, vem chegando mais uma vez o VMB. Se bem que esse ano terá o Adnet apresentando e isso pode ser uma razão para acompanhar.

Gastei um tempinho assistindo os videoclipes indicados a melhor do ano. O do Skank, Sutilmente, tinha tudo para ganhar, mas a ótima ideia parou nisso. A execução é sofrível e os músicos ficam todos duros, tensos, tirando toda a leveza que o conceito de inversão de eixos propunha. O da Pitty, não sei por que, não foi indicado. Fazendo bonito mesmo ali estão o do Black Drawing Chalks e o do Nervoso e os Calmantes. Como videoclipe é audiovisual (ou seja áudio + visual), meu voto fica com o segundo. “Eu que não estou mais aqui” foi dirigido por Guta Stresser e usa recursos simples de edição, junto com um belo cenário, luz e figurino, que dão uma leveza e humor à triste canção.

Quem se pilhar de votar, o caminho é esse aqui.