Lendo o MPB Player, tomei um susto com a notícia da tentativa da Polícia Civil de proibir o “Eu amo Baile Funk” no Circo Voador, no último sábado. Manja CENSURA? Pois é…

Conta o camarada Rodrigo Pinto:

A censura voltou a vigorar no Estado do Rio de Janeiro. E, agora, ameaça também uma de nossas maiores casas de show, o Circo Voador. Já no último sábado, o Circo quase foi impedido de realizar mais um “Eu amo baile funk” (evento que existe há mais de quatro anos). A lei estadual que exige de produtores culturais prévia autorização policial - sim, da polícia - para a realização de “eventos de música eletrônica, conhecidos como festas raves e de bailes do tipo funk” já restringiu o acesso ao lazer nas comunidades pobres e agora causa estragos no asfalto, alastra suas premissas preconceituosas, remonta aos períodos de perseguição oficial aos sambistas e mistura política de segurança e burrice – desculpem o tom, mas não dá pra esconder a indignação, que piora quando lembro que o atual governador é filho de um homem que devotou sua vida à música popular brasileira.” (clique no texto para ler o artigo inteiro)

Enquanto isso, o choque de ordem na Lapa ficou para depois do carnaval, né… Um bairro tão seguro, com um trânsito tão bem organizado, livre do tráfico de drogas quanto a Lapa realmente não tem outras demandas para o corpo policial…

Não bastasse tudo isso, no fim do texto, o Rodrigo linka para o blog da jornalista Juliana Rangel que descobriu que para se reunir em grupo na praia é preciso avisar antes ao respectivo batalhão policial. Numa ação cheia de estupidez, mandaram silenciar o bloco Orquestra Voadora que fazia a festa de sopros na areia.

É bom ficar de olho… Malandro sempre tá de butuca. Dá mole, rato se cria. Seria bom se alguém do governo estadual se manifestasse logo e explicasse (?! dá pra explicar?! ) essa palhaçada toda.